Enxertos ósseos

[image_frame image=”http://maximplante.com.br/wp-content/uploads/2013/05/logomax.png” zoom=”http://maximplante.com.br/wp-content/uploads/2012/04/Enxerto-Osseo-Santos.png” alt=”” width=”” height=”” float=”left” ]

A manipulação de tecidos bucais para a estética e para possibilitar a colocação de implantes dentários é uma realidade cada vez mais cotidiana nas Clínicas Odontológicas mais avançadas.

O enxerto ósseo é realizado para aumentar a altura e espessura do osso possibilitando a colocação de implantes dentais em pessoas que perderam seus dentes há muitos anos.

Atualmente existem 4 tipos de enxertos ósseos com resultados comprovados.


[tab title=”Tipo 1 – Autógenos”]

Enxertos Autógenos (Tecido ósseo próprio)

Algumas regiões da mandíbula podem fornecer tecido ósseo para pequenas reconstruções ósseas. Em casos de maiores reconstruções, é necessária a realização de uma cirurgia em centro cirúrgico hospitalar para retirada de um bloco ósseo de regiões como a crista ilíaca (bacia) ou calota craniana. Sua integração acontece em 6 a 9 meses.

[/tab]
[tab title=”Tipo 2 – BMP2″]

Enxerto com BMP2 (Indutor de Células – Tronco)

A ciência vem buscando, cada vez mais, uma alternativa mais efetiva e de menor morbidade na reconstrução de estruturas ósseas perdidas. Através de um intenso trabalho de pesquisa na engenharia genética, conseguiram isolar a principal proteína para a regeneração óssea, a proteína morfogenética (BMP), e derivaram sinteticamente esse componente (rhbmp-2), também chamada proteína recombinante morfogenética tipo 2. Esta tem um grande potencial osteogênico, basicamente ela induz as células mesenquimais pluripotenciais (células-tronco), com capacidade para se diferenciarem em células produtoras de tecido ósseo ou vascular. São também agentes osteoindutores, sendo produzidas no interior de diferentes células e estocadas em elementos como plaquetas. Também podem ser considerados osteocondutores, pois agem como um arcabouço para o crescimento ósseo, sendo progressivamente substituídos pelo osso.

[/tab]
[tab title=”Tipo 3 – Alógenos”]

Enxertos Alógenos (Matriz óssea bovina)

A matriz óssea de origem sintética ou animal pode ser usada misturada ao tecido ósseo autógeno coletado ou isoladamente em situações como o preenchimento de cavidades, como no caso de extrações. Sua integração acontece em 9 a 12 meses.
[/tab]
[tab title=”Tipo 4 – Homogêneos”]

Enxertos Homogêneos (Banco de Tecidos Humanos)

Os Bancos de Tecidos Humanos do Hospital das Clinicas / USP e HC de Curitiba processam tecido ósseo para Ortopedia medica e para Enxertos odontológicos. É um procedimento seguro e é cientificamente comprovada sua eficácia. Sua integração acontece em 6 a 9 meses.

Possibilita pequenas e grandes reconstruções ósseas com facilidade e conforto.

[/tab]

Quanto tempo demora o tratamento?
O tempo de conclusão varia de caso para caso. Após a colocação, os implantes dentários devem permanecer em repouso por um período que varia de 2 a 6 meses para que ocorra o fenômeno da osseointegração (adesão do titânio do implante ao osso). Após este período, os implantes dentários são descobertos para a conexão da prótese dentária nos pinos. Em alguns casos específicos, a prótese pode ser instalada já no dia da cirurgia de colocação do implante dentário, realizando, assim, a carga imediata.

[box_call_to_action title=”Interessado em ter um sorriso mais bonito?” style=”contact” btn_title=”Consulta Online” link=”http://maximplante.com.br/consulta-online/”] em poucos minutos você terá um plano de tratamento[/box_call_to_action]